O roceiro na corte (trecho)

Imagem de Francisco de Paula Brito

Poema de Francisco de Paula Brito



II

Estou falto de memória,
Perco o fio da oração;
Quero ver se conto a história
Sem nova atrapalhação.
Oh que Tijuca tão bela!
Não há Maxambomba igual!
Diz muita gente que é ela
A Cintra de Portugal!...
        A Maxambomba?
        Ah, ah, ah, ah!
        Esta é de arromba
        E não é má!...
            Eu na cidade
            Sou raridade!..
        Oh que Tijuca!
        Oh que viagem!
        Eu e o Manduca
        De carruagem,
        Ao som da gaita,
        Fuen-fuen, fuen-fuen,
        Fizemos bichas
        Como ninguém!
            Eu na cidade
            Sou raridade!..
        Mas lá na roça,
        Lá sou eu gente!..
        Quem for chibante
        Pule pra frente!
Na cidade, o que sou eu?
Mas na roça? - aquilo é meu!



Fonte: "Poesias", Tipografia Paula Brito, 1863.
Originalmente publicado em: "Livrinho das moças", 1856.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.