*

Imagem de Francisco de Paula Brito

Poema de Francisco de Paula Brito



Lutas debalde, coração queixoso,
Ferido do aguilhão do pensamento;
Me diz um natural persentimento
Que não nasceste para ser ditoso!

Do bem por quem te matas desejoso,
Teu prazer é teu próprio sofrimento;
A esperança é teu único alimento,
Esse do ser moral gozar penoso!

Havendo para amor igual medida,
Nos mostra o mundo que a paixão mais forte
Não é sempre a mais bem correspondida...

Traz o que nasce já consigo a sorte!...
O bem que às vezes faz de um peito a vida,
Causa outras vozes de outro peito a morte!



Fonte: "Poesias", Tipografia Paula Brito, 1863.
Originalmente publicado em: "Livrinho das moças", 1856.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.