Canção para a minha morte

Imagem de Manuel Bandeira

Poema de Manuel Bandeira



Bem que filho do Norte,
Não sou bravo nem forte.
Mas, como a vida amei,
Quero te amar, ó morte,
- Minha morte, pesar
Que não te escolherei.

Do amor tive na vida
Quanto amor pode dar:
Amei, não sendo amado,
E sendo amado, amei.
Morte, em ti quero agora
Esquecer que na vida
Não fiz senão amar.

Sei que é grande maçada
Morrer, mas morrerei
- Quando fores servida -
Sem maiores saudades
Desta madrasta vida,
Que todavia amei.



Fonte: "Antologia Poética", Editora Nova Fronteira, 2001.
Originalmente publicado em: "Estrela da Tarde", 1963.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.