*

Imagem de Souza-Andrade

Poema de Souza-Andrade



E perdeu-se para sempre
No meu peito a minha vida,
Como nos céus nublados
A minha estrela querida:

Assim de tarde aparece
Ramo de ouro na espessura
Cercado de aves cantando:
Passa o Natal e não dura.

E como o ledo pau-d’arco
Só numa tarde sorri,
Mimosas tão breves flores
Murchas nos meus pés as vi.



Fonte: "Harpas Selvagens", Tipografia Universal de Laemmert, 1857.
Originalmente publicado em: "Harpas Selvagens", Tipografia Universal de Laemmert, 1857.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.