Um sonho


Poema de Ildefonsa Laura César



Que a vida o mar me tragava
À vista de meu amor
Sonhei, e que no seu rosto
Mal se divisava a dor.

Que entre os últimos arrancos
Pelo seu nome invocando,
Fingindo não escutar-me,
De ver-me se ia apartando.

Oh dor! que o peito oprimido
Me traz ainda desperta!
Ah! Não permita o destino
Fazer a mentira certa.



Fonte: "Ensaios Poéticos", Tipografia Epifânio J. Pedroza, 1844.
Originalmente publicado em: "Ensaios Poéticos", Tipografia Epifânio J. Pedroza, 1844.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.