Alegrias de caboclo

Imagem de José Barbosa da Silva

Poema de José Barbosa da Silva



Caboclo não tem tristeza
Ai! Ai! Meu bem
São traços da natureza
Ai! Ai! Meu bem

Faz da manhã poesia
Do dia uma sinfonia
Da tarde rude harmonia
Da noite rica alegria.

Ai como é bom
O luar do meu sertão

Se escurece
Nos olhos deixa o clarão

Caboclo sabe o que quer
Ai! Ai! Meu bem
Também por seu bem morrer
Ai! Ai! Meu bem

Das folhas secas que caem
Faz a fogueira do amor
E do clarão que provem
Faz sua prece de dor.

Ai como é bom
O luar do meu sertão

Se escurece
Nos olhos deixa o clarão



Fonte: "107 partituras de Sinhô", Instituto Piano Brasileiro, 2017.
Originalmente publicado em: Carlos Wehrs & Cia., nº ch. 1158, 1927.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.