*

Imagem de Jorge de Lima

Poema de Jorge de Lima



E que grande paz neste oceano de hoje
Que íris, que amizade continente.
Entre nereida e anêmona não se ouve
a linguagem que afasta gente e gente.

Entre quem dorme aqui e no outro polo houve
uma comunidade permanente.
Os contemplados e serenos rostos
olham-se com um olhar preexistente.

Um candelabro em pêndulo constante
ritma a sina dos cabos bojadores.
E são âncoras na água em maré cheia

e são bússolas de um igual instante
marcando calmarias e torpores.
e marujos parados de alma alheia. 



Fonte: "Obra Poética", Editora Getulio Costa, 1949.
Originalmente publicado em: "Livros de Sonetos", Livros de Portugal S. A, 1949.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.