*

Imagem de Cláudio Manuel da Costa

Poema de Cláudio Manuel da Costa



Que feliz fora o mundo, se perdida
A lembrança de amor, de amor a glória,
Igualmente dos gostos a memória
Ficasse para sempre consumida!

Mas a pena mais triste e mais crescida
É ver que em nenhum tempo é transitória
Esta de amor fantástica vitória
Que sempre na lembrança é repetida.

Amantes, os que ardeis nesse cuidado,
Fugi de amor ao venenoso intento
Que lá para o depois vos tem guardado.

Não vos engane o infiel contentamento;
Que esse presente bem, quando passado,
Sobrará para ideia do tormento.



Fonte: "Obras poéticas", H. Garnier, 1903.
Originalmente publicado em: "Obras", 1768.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.