*

Imagem de Cláudio Manuel da Costa

Poema de Cláudio Manuel da Costa



Ai Nise amada! se este meu tormento,
Se estes meus sentidíssimos gemidos
Lá no teu peito, lá nos teus ouvidos
Achar pudessem brando acolhimento;

Como alegre em servir-te, como atento
Meus votos tributaria agradecidos!
Por séculos de males bem sofridos
Trocaria todo o meu contentamento.

Mas se na incontrastável pedra dura
De teu rigor não há correspondência
Para os doces afetos de ternura;

Cesse de meus suspiros a veemência;
Que é fazer mais soberba a formosura
Adorar o rigor da resistência.



Fonte: "Obras poéticas", H. Garnier, 1903.
Originalmente publicado em: "Obras", 1768.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.