Lira III (parte II)

Imagem de Thomaz Antônio Gonzaga

Poema de Thomaz Antônio Gonzaga



Esprema a vil calúnia, muito embora,
Entre as mãos denegridas e insolentes,
Os venenos das plantas
E das bravas serpentes.
 
Chovam raios e raios, no meu rosto
Não hás de ver, Marília, o medo escrito,
O medo perturbador
Que infunde o vil delito.

Podem muito, conheço, podem muito
As fúrias infernais que Pluto move;
Mas pode mais que todas
Um dedo só de Jove.

Este deus converteu em flor mimosa,
A quem seu nome deram, a Narciso;
Fez de muitos os astros
Que inda no céu diviso.

Ele pode livrar-me das injúrias
Do néscio, do atrevido ingrato povo;
Em nova flor mudar-me,
Mudar-me em astro novo.

Porém se os justos céus, por fins ocultos,
Em tão tirano mal me não socorrem,
Verás então que os sábios,
Bem como vivem, morrem.

Eu tenho um coração maior que o mundo!
Tu, formosa Marília, bem o sabes:
Um coração... e basta,
Onde tu mesma cabes. 



Fonte: "Marília de Dirceu", Irmãos Garnier Editores, 1862.
Originalmente publicado em: "Marília de Dirceu", 1792.

Comentários