Lira XXVIII (parte 2)

Imagem de Thomaz Antônio Gonzaga

Poema de Thomaz Antônio Gonzaga



Minha Marília,
O passarinho,
A quem roubaram
Ovos e ninho,
Mil vezes pousa
No seu raminho;
Piando finge
Que anda a chorar,
Mas logo voa
Pela espessura,
Nem mais procura
Este lugar.

Se acaso a vaca
Perde a vitela,
Também nos mostra
Que se desvela;
O pasto deixa,
Muge por ela,
Até na estrada
A vem buscar;
Em poucos dias,
Ao que parece,
D'ela se esquece
E vai pastar.

O voraz tempo
Que o ferro come,
Que aos mesmos reinos
Devora o nome;
Também, Marília,
Também consome
Dentro do peito
Qualquer pesar.
Ah! só não pôde
Ao meu tormento
Por um momento
Alívio dar.

Também, ó bela,
Não há quem viva
Instantes breves
Na chama ativa:
Derrete ao bronze;
Sendo excessiva,
Ao mesmo seixo
Faz estalar;
Mas do amianto
A fibra dura
Na chama atura
Sem se queimar.

Também, Marília,
Não há quem negue
Que bem que o fogo
Nos óleos pegue,
Que bem que em línguas,
Às nuvens chegue,
À força d'água
Se há de apagar;
Se a negra pedra
Nós acendemos,
Com água a vemos
Mais s'inflamar.

O meu discurso,
Marília, é reto:
A pena iguala
Ao meu afeto;
O amor que nutro
Ao teu aspecto
E ao teu semblante
É singular.
Ah nem o tempo,
Nem inda a morte
A dor tão forte
Pode acabar.



Fonte: "Marília de Dirceu", Irmãos Garnier Editores, 1862.
Originalmente publicado em: "Marília de Dirceu", 1792.

Comentários