Lira VII

Imagem de Thomaz Antônio Gonzaga

Poema de Thomaz Antônio Gonzaga



Vou retratar a Marília,
A Marília meus amores;
Porém como? Se eu não vejo
Quem me empreste as finas cores!
Dar-mas a terra não pode;
Não, que a sua cor mimosa
Vence o lírio, vence a rosa,
O jasmim e as outras flores.
       Ah! Socorre, Amor, socorre
       Ao mais grato empenho meu!
       Voa sobre os Astros, voa,
       Traze-me as tintas do Céu.

Mas não se esmoreça logo;
Busquemos um pouco mais;
Nos mares talvez se encontrem
Cores, que sejam iguais.
Porém não, que em paralelo
Da minha Ninfa adorada
Pérolas não valem nada,
não valem nada os corais.
       Ah! Socorre, Amor, socorre
       Ao mais grato empenho meu!
       Voa sobre os Astros, voa,
       Traze-me as tintas do Céu.

Só no Céu achar-se podem
Tais belezas, como aquelas
Que Marília tem nos olhos
E que tem nas faces belas.
Mas às faces graciosas,
Aos negros olhos que matam,
Não imitam, não retratam
Nem Auroras nem Estrelas.
       Ah! Socorre, Amor, socorre
       Ao mais grato empenho meu!
       Voa sobre os Astros, voa,
       Traze-me as tintas do Céu.

Entremos, Amor, entremos,
Entremos na mesma Esfera,
Venha Palas, venha Juno,
Venha a Deusa de Citera,
Porém não, que se Marília
No certame antigo entrasse,
Bem que a Páris não peitasse,
A todas as três vencera.
       Vai-te, Amor, em vão socorres
       Ao mais grato empenho meu:
       Para formar-lhe o retrato
       Não bastam tintas do Céu.



Fonte: "Marília de Dirceu", Impressão Regia, 1810.
Originalmente publicado em: "Marília de Dirceu", 1792.

Comentários