*

Imagem de Júlia Cortines

Poema de Júlia Cortines



Que te perdoem aquelas para quem
As tuas imprevistas covardias
Não trocaram os risos de alegrias
Pelo cáustico riso de desdém.

Que, num enlevo, e próximas de ti,
A vista mergulhada em tua vista,
Não olvidaram toda a luz que exista,
Todas, por vê-las rutilar aí;

E não viram um súbito negror
Lhes envolver a plácida existência,
Como um véu tenebroso de demência,
Extinto o brilho desse resplendor.

Que te bebendo a fresca vibração
Da sonorosa e musical garganta,
Não sentiram, como eu, uma onda santa
De bem refrigerar o coração;

E desse bem tão passageiro após,
Da cólera e do amor a luta aberta,
As incertezas todas que desperta
A treda melodia dessa voz

Que não chamaram a tua alma irmã,
Por crê-la grande, varonil e nobre,
Sem ver que tinhas um disfarce sobre
Tua alma vulgaríssima e vilã.

Que não te confiaram do porvir
A florida grinalda da esperança,
E, qual vi, não na viram, sem tardança
A um sopro de teus lábios ressequir.

Perdoem. Mas eu, que tudo dei-te, não.
Em derredor da minha mocidade
Abriste a pavorosa vacuidade.
- Nunca meus lábios te perdoarão.



Fonte: "Versos; Vibrações", Academia Brasileira de Letras, 2010.
Originalmente publicado em: "Versos", Tipografia Leuzinger, 1894.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.