*

Imagem de Júlia Cortines

Poema de Júlia Cortines



Eu ia só: a fronte amargurada
Pelo pesar; incerto e vacilante
O passo; e a ver dos olhos meus adiante
Uma planície intérmina e gelada.

Nem luz. Do céu a abóbada cerrada
De vapores, mas nunca a tremulante
Solta nuvem, de flamas irisada,
Que a tela colorisse do Levante.

Hoje gorjeiam pássaros em festa.
Bastou que a palidez da minha testa
Teu rubro lábio trêmulo osculasse,

Para que o sol do amor rompesse puro,
E o gelo, o gelo acumulado e duro
Em cristalinas flores estalasse.



Fonte: "Versos; Vibrações", Academia Brasileira de Letras, 2010.
Originalmente publicado em: "Versos", Tipografia Leuzinger, 1894.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.