*

Imagem de Júlia Cortines

Poema de Júlia Cortines



Não te dirá jamais, indiferente e calma,
Da natureza a muda e implacável esfinge
A razão por que acende o desejo em tua alma
De um bem que atrai, que foge e que nunca se atinge.



Fonte: "Versos; Vibrações", Academia Brasileira de Letras, 2010.
Originalmente publicado em: "Vibrações", Laemmert &C, 1905.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.