Sono e despertar do poeta

Imagem de Jorge de Lima

Poema de Jorge de Lima



O meu nascimento me acordou,
a minha morte me adormecerá.
Tu levas um cadáver para onde amigo?
A vida é cheia de guizos
tapa os ouvidos dorme, dorme.
Dorme, dorme, a noite é boa,
odia é oco como um guizo.
A minha morte me adormecerá.
O meu nascimento me acordou.
Tu levas um cadáver para onde, amigo?
          Sol, sê testemunha que o fim já chegou,
          que a carne morreu,
          que a alma está viva.
          Antes de tu te extinguires, Sol
          olha o espírito continuando. 



Fonte: "Obra Poética", Editora Getulio Costa, 1949.
Originalmente publicado em: "Tempo e eternidade", 1935.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.