Seus olhos

Imagem de Gonçalves Dias

Poema de Gonçalves Dias



Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
           De vivo luzir,
Estreias incertas, que as águas dormentes
           Do mar vão ferir;

Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
           Tem meiga expressão,
Mais doce que a brisa, - mais doce que o nauta
De noite cantando, - mais doce que a flauta
           Quebrando a solidão.

Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
           De vivo luzir,
São meigos infantes, gentis, engraçados
           Brincando a sorrir.

São meigos infantes, brincando, saltando
           Em jogo infantil,
Inquietos, travessos; - causando tormento,
Com beijos nos pagam a dor de um momento,
           Com modo gentil.

Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
           Assim é que são;
Às vezes luzindo, serenos, tranquilos,
           Às vezes, vulcão!

Às vezes, oh! sim, derramam tão fraco,
           Tão frouxo brilhar,
Que a mim me parece que o ar lhes falece,
E os olhos tão meigos, que o pranto umedece
           Me fazem chorar.

Assim lindo infante, que dorme tranqüilo,
           Desperta a chorar;
E mudo e sisudo, cismando mil coisas,
           Não pensa - a pensar.

Nas almas tão puras da virgem, do infante,
           às vezes do céu
Cai doce harmonia duma Harpa celeste,
Um vago desejo; e a mente se veste
           De pranto co’um véu.

Quer sejam saudades, quer sejam desejos
           Da pátria melhor;
Eu amo seus olhos que choram sem causa
           Um pranto sem dor.

Eu amo seus olhos tão negros, tão puros,
           De vivo fulgor;
Seus olhos que exprimem tão doce harmonia,
Que falam de amores com tanta poesia,
           Com tanto pudor.

Seus olhos tão negros, tão belos, tão puros,
           Assim é que são;
Eu amo esses olhos que falam de amores
           Com tanta paixão.



Fonte: "Poesia completa e prosa escolhida", Editora José Aguilar, 1959.
Originalmente publicado em: "Primeiros Cantos", 1846.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.