Obambá é batizado

Imagem de Jorge de Lima

Poema de Jorge de Lima



Pela fé de Zambi te digo:
Obambá é batizado, confirmado, cruzado e coroado.
Dá licença meu pai?
Licença venha
para os alufás de babalau.
Licença tem
o Babé de Olubá.
Licença tem.

Licença têm
cacuriqués, cacuricás.
Licença têm.

Licença tem
babalaô, babalaô.
Licença tem.
Na fé de Zambi te digo:
Obambá é batizado, confirmado e coroado.
Oxóssi está reinando: dá pra ele.
Dá pra o pai-de-sala, dá pra ele.
Ó ocaia dá pra ele.

Na fé de Zambi te digo:
Te vira em meu sangue.
Obambá é batizado, confirmado e coroado.
Dá licença meu pai?
Licença venha para outros bacuros.
Ó ocaia dá pra ele.

Dá licença meu pai?
Ó ocaia, me deixa só com meu santo,
me deixa só,
me deixa só,
dá pra ele
que Obambá é batizado, confirmado, cruzado e coroado.
Oxóssi está reinando: dá pra ele.



Fonte: "Novos poemas; Poemas escolhidos; Poemas negros", Editora Lacerda, 1997.
Originalmente publicado em: "Poemas Negros", 1947.


Comentários