Meu avô


Poema de Manoel de Barros



Meu avô dava grandeza ao abandono.
Era com ele que vinham os ventos a conversar
Sentava-se o velho sobre uma pedra nos fundos
do quintal
E vinham as pombas e vinham as moscas a
conversar.
Saía do fundo do quintal para dentro da
casa
E vinham os gatos a conversar com ele.
Tenho certeza que o meu avô enriquecia
a palavra abandono.
Ele ampliava a solidão dessa palavra.
E as borboletas se aproveitavam dessa
amplidão para voar mais longe.

*

Só o silêncio faz rumor no voo das borboletas.

*

Na estrada, ponho meu corpo a ventos.
Aves me reconhecem pelo andar.



Fonte: "Poesia Completa", Editora Leya, 2010.
Originalmente publicado em: "O fazedor de amanhecer", Editora Salamandra, 2014.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.