*

Imagem de Hilda Hilst

Poema de Hilda Hilst



Extrema, toco-te o rosto. De ti me vem
À ponta dos meus dedos o ouro da volúpia
E o encantado glabro das avencas. De ti me vem
A noite tingida de matizes, flutuante
De mitos e de águas. Inaudita.
Extrema, toco-te a boca como quem precisa
Sustentar o fogo para a própria vida.
E úmido de cio, de inocência,
É à saudade de mim que me condenas.

Extrema, inomeada, toco-me a mim.
Antes, tão memória. E tão jovem agora



Fonte: "Da Poesia", Editora Companhia das Letras, 2017.
Originalmente publicado em: "Amavisse", Massao Ohno Editor, 1989.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.