Fim

Imagem Henriqueta Lisboa

Poema de Henriqueta Lisboa



Baixou a treva sobre o sonho.
Foi como um pássaro agourento
junto à janela de um enfermo.
Alguma coisa de medonho
que se passou nesse momento
eternizou-se no meu ermo.

Tudo acabado. Tudo morto.
É a lua, a ansiar pelo degredo,
mortalha mórbida que espia.
Pavor do nada. Desconforto.
Dança macabra do arvoredo
nos estertores da agonia.

A alma se alonga para o fim
já sem desejos e sem ânsia
como um fantasma em noite aziaga.
E sem poder voltar a mim
fica perdida na distância
como uma sombra que se apaga...



Fonte: "Obra completa", Editora Peirópolis, 2020.
Originalmente publicado em: "Velário", Editora Belo Horizote, 1936.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.