A uma mulata

Imagem de Gregório de Matos

Poema de Gregório de Matos



Parti o bolo, Luzia,
Que a mim mesmo me acomoda,
Não deis a fatia toda,
Dai-me parte da fatia:
Quem pede como eu pedia,
Pede tudo o que lhe importa
E aceita o que se lhe corta,
E quem dá com manha e arte
Seus dados sempre reparte,
Se tem mais pobres à porta.

Não é bem que tudo eu cobre
E é bem que um pouco me deis;
Dai-me um pouco e alegrar-me-eis:
Com pouco se alegra o pobre;
Não deis coisa que me sobre,
Dai-me sequer um bocado;
Mas o que vos persuado
Que deis com manha e com arte,
Dando vós e de tal parte,
Sempre será grande o dado.

Se a todos cinco sentidos
Não tendes coisa que dar,
Dai ao de ver e apalpar,
Os dois sejam preferidos:
Não deis que ouvir aos ouvidos,
Mas dai aos olhos que ver
E ao tato em que se entreter;
Deitemos á bom partir
Os dois sentidos a rir
E os demais a padecer

As mãos folgam de apalpar,
Os olhos folgam de ver,
Os dois logrem seu prazer,
Os três sintam seu pesar:
Que depois que isto lograr
Virá o mais por seu pé,
Que inda que ninguém me dê
Nem eu o tome á ninguém,
Morrerá vosso desdém
Às forças de minha fé.



Fonte: "Obra Poética", Tipografia Nacional, 1882.
Originalmente publicado em códices da segunda metade do século XVII.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.