Teus olhos (trecho)


Poema de Joaquim Norberto de Sousa Silva



IV

Quando teus lábios
Negam que eu seja,
Negam que eu seja
Por ti amado,
Ah dois traidores,
Que negros são,
Os desmentindo
De pressa vão.

São tais traidores
Teus meigos olhos,
Teus meigos olhos
Tão sedutores,
Que a todo o instante,
Num só volver,
De amor cativam
Fazem morrer.

Queres matar-me
Com esses olhos,
Com esses olhos
A enganar-me?
Se me confessas
Jamais amar,
Esses teus olhos
Deves fechar.



Fonte: "O livro de meus amores", B. L. Garnier, 1848.
Originalmente publicado em: "O livro de meus amores", B. L. Garnier, 1848.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.