*

Imagem de Júlia Lopes de Almeida

Poema de Júlia Lopes de Almeida



O homem deve querer ser belo:
Beleza d'alma, de sentimento,
Água que aos olhos de pronto assoma.
Ser como as flores - divino anelo! -,
Flores que vivem um só momento
Porque se esvaem no próprio aroma.



Fonte: "A Árvore", Livraria Francisco Alves, 1916.
Originalmente publicado em: "A Árvore", Livraria Francisco Alves, 1916.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.