Alvorada

Imagem de Zalina Rolim

Poema de Zalina Rolim



Manhã de primavera; que alegria!
Nuns esplendores rútilos de gala,
Áureo e purpúreo desabrocha o dia;
E a natureza canta e sonha e fala...

Nuvens de um branco adelgaçado e fino,
- Véus de etéreo noivado - lentamente
Impele o frágil sopro matutino
Para as rúbidas bandas do oriente.

Longe, a perder de vista, amplo e rasgado.
De nova seiva túrgido, virente,
Ondula e treme o campanil, tocado
De flores rubras de um perfume quente.

Leve tremula e esgarça-se a neblina
Toda em farrapos, úmida e flutuante;
Intermitente, estrídula buzina
Ressoa ao longe, errática e vibrante.

No pacífico espaço luminoso
Estranhas curvas, misteriosas linhas
Traçam, no voo leve e caprichoso,
As caprichosas, leves andorinhas.

Em grupos cá e lá, pesadamente,
Ruminam nédios bois malhados, brancos;
Lambem, cerrando o morno olhar paciente.
Num abandono lasso, os próprios flancos.

Treme o relvado a um frêmito ligeiro:
- É o despertar do mundo-inseto... Agora
Desfaz-se todo e some-se o nevoeiro
À luz que doura o campo e o céu colora.

E ao costumeiro, habitual trabalho,
Cortando a estrada silenciosa e plana,
Segue um campônio pelo estreito atalho
Cantando alegre a jovial tirana.



Fonte: "O Coração", Tipografia Hennies & Winiger, 1893.
Originalmente publicado em: "O Coração", Tipografia Hennies & Winiger, 1893.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.