Sonho


Poema de Joaquim Norberto de Sousa Silva



Eu que idolatro
Aérea amante,
Sombra inconstante,
Anjo ou mulher,
Sonho que ela
Por mim se inflama,
E que me ama,
Deseja e quer!

Porém sonhando
Essa doçura,
Essa ventura
Gozar de amor,
Sonho igualmente
Que é tudo um sonho
Duro, tristonho
E enganador!

Ah que nem provo
De um sonho o gosto
Sem que o desgosto
Sinta opressor;
Que até dormindo
Ache motivo,
Não lenitivo,
À minha dor!



Fonte: "O livro de meus amores", B. L. Garnier, 1848.
Originalmente publicado em: "O livro de meus amores", B. L. Garnier, 1848.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.