No Boqueirão

Imagem de Gregório de Matos

Poema de Gregório de Matos



Acabou-se esta cidade,
Senhor, já não é Bahia.
Já não ha temor de Deus
Nem d'El-Rei nem da Justiça.

Lembra-me que há poucos anos,
Inda não há muitos dias,
Que para qualquer função
De um crime a prisão se urdia.

Iam por esse sertão
Ao centro da Jacobina
Prender algum matador,
Inda que fosse á espadilha.

Mas hoje dentro na praça,
Nas barbas da infantaria,
Nas bochechas das Granachas,
Com polé e forca à vista:

Que esteja um surucucu
Com soberana ousadia
Feito Parca da cidade,
Cortando os fios às vidas!

Com tantas mortes às costas,
E que não haja uma rifa
De paus que ao tal matador
Lhe sacuda o basto em cima.

É mui bárbaro rigor
O d'esta cobra atrevida,
Que esteja na estrada posta
Fazendo assaltos à vista.

Onde está Gaspar Soares
Que não vai à espora fita
No lazão lançar-lhe a garra,
E mete-lá na enxovia?

Se está no mato emboscada,
No seu mocambo metida,
Mandem-lhe um terço ligeiro
De infantes de Henrique Dias.

Se dizem que está na peça,
Deem-lhe fogo à colubrina,
Já que faz peças tão caras,
Custe-lhe esta peça a vida.

Vão quatro ou seis artilheiros
Cavalgar-lhe a artilharia,
Porque em sendo noite dá
Fogo a toda coisa viva.

Fira com balas ervadas
A que não há medicina
Porque as traz sempre na boca
Com venenosa saliva.

O caso é monstruosidade,
Porém não é maravilha,
Que haja cobras e lagartos
Entre tanta sevandija.

Só digo que é boa peça
Porque, na peça escondida,
Vela na peça de noite,
Dorme na peça de dia.



Fonte: "Obra Poética", Tipografia Nacional, 1882.
Originalmente publicado em códices da segunda metade do século XVII.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.