Poemoitenta: Cazuza vs. Legião Urbana


Poema de crroma




Não convidaram, não
ofereceram -
armaram sujeira.
Homens no Senado, chefes de nada,
droga no Amazonas e no Araguaia,
a constituição veio malhada
antes de nascer.

O futuro: um cigarro na porta.
A baixada fluminense estaciona carros pobres.
As favelas acreditam em cartões de crédito.
Mato grosso-minas gerais-nordeste
não elegeram
pagar sem ver
navalha-morte
descanso em paz.

Que Brasil é esse?
Um negócio,
um rico trair,
sócio da cara de sangue solto,
patrão terceiro mundo -
esse trair,
que negócio é esse? -
faturar no leilão
da garota do Fantástico,
papéis de suborno
pra convencer
pra dizer sim.

País-pátria,
taba-de-índio-nação
de TV a cores
em nenhum instante mostra
esse trair as gentes,
esse negócio:
ricopatrãosócio -
que trair é esse? -
de alma de exterior
a sortear o fim.



(Elaborado a partir da letra das músicas 'Brasil', de Cazuza, e 'Que país é esse', de Legião Urbana)

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.