Sequência

Imagem de Cora Coralina

Poema de Cora Coralina



I

Dormir, acordar.
Lutar; lutar sempre,
sempre assim, até o fim.

II

A rotina da vida
vai passando,
vai rolando,
empurrando sempre,
sempre para a frente.

III

Impassível o tempo
que se espera.
Contra tempo que exaspera,
desespera.
E vai passando aceitando
inexorável, inflexível:
O vaivém da vida,
a sequência dos dias,
o cotidiano das horas,
a fuga dos minutos,
a eternidade de um segundo.

IV

A vida se esvai
no atropelo das gerações,
na corrente dos anos,
na ânsia dos impossíveis:
Removendo pedras,
cavando trincheiras,
construindo os caminhos do futuro.

V

Passa a bandeira.
Pioneiro dos pioneiros, vanguardeiros
sobraçando ideias,
reivindicações heroicas,
agitando o lábaro dos protestos.

VI

O encontro épico -
a selvageria das cidades: a vadiada,
a matilha amestrada,
O bando acordado dos acomodados retardados.

VII

Destroçada segue a bandeira
desfalcada.
No heroísmo da bandeira
alguma coisa se salva.



Fonte: "Meu livro de cordel", Global Editora, 2012.
Originalmente publicado em: "Meu livro de cordel", Editora Cultura Goiana, 1976.

Comentários