*

Imagem de Mário Quintana

Poema de Mario Quintana


Lá onde a luz do último lampião
Uns tristes charcos alumia embalde,
Moram, numa infinita solidão,
As estrelinhas quietas do arrabalde...

Na cidade, quem é que atenta nelas,
Na sua história anônima, escondida?
São menininhas pobres às janelas,
Olhando inutilmente para a vida...

Quando ao Centro descemos à noitinha,
Penso às vezes o quanto essas meninas
No seu desejo triste hão de sofrer

Ao ver os bondes que, do fim da linha,
Partem, iluminados como vitrinas,
Para a doida Cidade do Prazer!...



Fonte: "Poesia Completa", Editora Nova Aguilar, 2006.
Originalmente publicado em: "A rua dos cataventos", 1940.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.