Samba de fato


Poema de Pixinguinha e Cícero de Almeida


Samba do partido alto
só vai cabrocha que samba de fato.

Só vai mulato filho de baiana
e a gente rica de Copacabana -
doutor formado de anel de ouro,
branca cheirosa do cabelo louro.

Também vai nego que é gente boa,
criola à prosa, gente da coroa,
porque no samba nego tem patente,
tem melodia que maltrata a gente.

Ronca o pandeiro, chora o violão,
que até levanta poeira do chão.
Partido alto é samba de arrelia,
vai na cabeça até raiar o dia.

E quando o samba está mesmo enfezado
a gente fica com os olhos virados.
Se por acaso tem desarmonia,
vai todo mundo pra delegacia.




Fonte: "Acervo Digital Pixinguinha", 2023.
Originalmente publicado em: disco Victor 33.585-B, 1932.

Comentários