A morte de Afonso Barboza da Franco

Imagem de Gregório de Matos

Poema de Gregório de Matos



Quem pudera de pranto soçobrado,
Quem pudera em choro submergido
Dizer o que na vida te hei querido,
Contar o que na morte te hei chorado.

Só meu silêncio diga o meu cuidado,
Que explica mais que a voz de um afligido,
Porque na esfera curta de um sentido
Não cabe um sentimento dilatado.

Não choro, amigo, a tua avara sorte,
Choro a minha desgraça desmedida,
Que em privar-me de ver-te foi mais forte.

Tu, com tanta memória repetida,
Acharás nova vida em mãos da morte.
Eu, triste, nova morte às mãos da vida.



Fonte: "Obra Poética", Editora Record, 1992.
Originalmente publicado em códices da segunda metade do século XVII.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.