Papagaio sabido


Poema de C. Araújo



Olho o galo prazenteiro
cantando no galinheiro
e o louro falador
promovido a professor

Do galo e das galinhas,
do pato e das marrecas,
dos gansos e das franguinhas
e da perua sapeca.

Quando o louro foi chegando
lá no meio do terreiro,
o galo cantarolando
foi descendo do poleiro.

O louro desconfiado,
vendo o galo lhe rodar,
ficou meio atrapalhado,
começou logo a falar.

"Seu galo deixa de prosa
que essa joça me incomoda,
veja que eu não sou da roça
pro senhor me fazer roda.

Vai deixando de festinha,
oh seu galo cantador,
olha que eu não sou galinha,
eu vim pra ser professor."


Fonte: "Acervo Digital Pixinguinha", 2023.
Originalmente publicado em: disco Victor 33.273-A, 1930.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.