Foi esta dama vista pelo poeta certa manhã

Imagem de Gregório de Matos

Poema de Gregório de Matos



Ontem ao romper da Aurora,
começando o amanhecer,
vi desta parte do ocaso
dois sóis a quem quero bem.
Que fazendo oposições
com brilhantes rosicler,
ao sol que, de envergonhado,
se começava a esconder.
Eclipsados vi seus raios,
mas quem suas luzes vê,
nas admirações se pasma,
nas invejas perde o pé.
Que a beleza singular,
que ostentam seus olhos, sei,
que o sol não quer competi-la
porque a saiba engrandecer.
Cegam os seus resplandores
e de tal sorte me tem
que não como ao sol me escondo,
porém morro por te ver.
Como cega borboleta,
ao fogo da minha fé
se queima a desconfiança
de nunca te merecer.
Valha-te Deus por Betica,
não sei dizer-te, meu bem,
como vivo enamorado,
como estou não sei dizer.
Porque entre o doce de amar-te
e o amargo de te não ver,
hei de viver da esperança
ou da saudade morrer.
Tua rara formosura,
eu a não sei compreender,
porque um não és tens de humana
e um quase divina és.
E já que nesta cegueira
tua beleza me tem,
ou me corresponde amante
ou me acaba de uma vez.
Porque tão confuso vivo,
tão triste me chego a ver,
tão temeroso me atrevo,
que é um abismo cruel.
Tal abismo o peito sente:
ora permite, meu bem,
diminuir os incêndios,
acabe-se o padecer.
Toma o astuto Piloto
o sol, só para saber,
se se acha na boa altura,
mas sem carta nada fez.
E pois no mar de meus olhos
perigos receia a fé,
manda-me, por não perder-te,
uma carta desta vez.
Dá-me velas à esperança,
com elas marearei,
já que o fogo da vontade
sempre está firme a teus pés.



Fonte: "Obra Poética", Editora Record, 1992.
Originalmente publicado em códices da segunda metade do século XVII.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.