*

Imagem de Hilda Hilst

Poema de Hilda Hilst



Áspero é o teu dia. E o meu também.
Inauguro ares e ilhas
Para que o teu corpo se conheça
Sobre mim, mas é áspera
Minha boca móvel de poesia,
Áspera minha noite
Porque nem sei se o canto há de chegar
No escuro labirinto em que te fazes,
Nessa rede de aço que te envolve,
Nesse fechar-se enorme onde te moves.

Trabalho tua terra cada dia
E não me vês. O teu passo de ferro
Esmaga o que na noite foi minha vida.
E recomeço. E recomeço.



Fonte: "Da Poesia", Editora Companhia das Letras, 2017.
Originalmente publicado em: "Poesias", Livraria Sal, 1967.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.