*


Poema de Fernando Pessoa



Nada fica de nada. Nada somos.
Um pouco ao sol e ao ar nos atrasamos
Da irrespirável treva que nos pese
Da humilde terra imposta,
Cadáveres adiados que procriam.

Leis feitas, estátuas vistas, odes findas -
Tudo tem cova sua. Se nós, carnes
A que um íntimo sol dá sangue, temos
Poente, por que não elas?
Somos contos, contando contos, nada.



Fonte: 'Obra Poética', décima edição, Editora Nova Fronteira, 2001.



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.