*


Poema de Manoel de Barros


Catre-velho é um traste pessoal à toa.
Nossa mãe falava:
Não vale um cabelo.
Não serve nem pra remendo.
Só presta pra cantar e tocar violão.
Catre-velho ensinava: A voz de um cantador tem que chegar a traste para ter grandezas...

Ele tinha uma voz de harpas destroçadas.



Fonte: "Poesia Completa", Editora Leya, 2010.
Originalmente publicado em: "Livro sobre nada", 1996.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.