Desabar

Imagem de Carlos Drummond de Andrade

Poema de Carlos Drummond de Andrade



Desabava
Fugir não adiantava        desabava
por toda parte        minas        torres
edif
      ícios
             princípios
              l
                       e
       i
                             s

             muletas
desabando        nem gritar
dava tempo        soterrados
novos desabamentos insistiam
sobre peitos em pó
desabadesabadesabadavam
As ruínas formaram
outra cidade em ordem definitiva.



Fonte: "As Impurezas do Branco", José Olympio Editora, 1973.
Originalmente publicado em: "As Impurezas do Branco", 1973.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.