*


Poema de Fernando Pessoa



Sábio é o que se contenta com o espetáculo do mundo
                E ao beber nem recorda
                Que já bebeu na vida,
                Para quem tudo é novo
                E imarcescível sempre.

Coroem-no pâmpanos, ou heras, ou rosas voluteis,
                Ele sabe que a vida
                Passa por ele e tanto
                Corta à flor como a ele
                De Átropos a tesoura.

Mas ele sabe fazer que a cor do vinho esconda isto,
                Que o seu sabor orgíaco
                Apague o gosto às horas,
                Como uma voz chorando
                O passar das bacantes.

E ele espera, contente quase e bebedor tranquilo,
                E apenas desejando
                Num desejo mal tido
                Que a abominável onda
                O não molhe tão cedo.



Fonte: 'Obra Poética', décima edição, Editora Nova Fronteira, 2001.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.