R.

Imagem de Murilo Mendes

Poema de Murilo Mendes



Vens, toda fria do dilúvio, com dois peixes na mão.
És grande e flexível, na madrugada acesa pelos arcos voltaicos.
Tua posteridade danou-se e foi expulsa dos templos serenos
Onde atualmente só se ouvem
Cânticos de guerra e pregações do inferno.
Vens, toda fria do dilúvio,
Semear a discórdia nas choupanas e nos palácios.
Vens para minha maldição, para me indicar o abismo
Onde ficarei só e triste, sem pianos.



Fonte: "O Menino Experimental", Summus Editorial, 1979.
Originalmente publicado em: "As metamorfoses", Editora Ocidente, 1944.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.