*

Imagem de Ferreira Gullar

Poema de Ferreira Gullar



                               Muitos
muitos dias há num dia só
                                  porque as coisas mesmas
os compõem
com sua carne (ou ferro
                  que nome tenha essa
matéria-tempo
                  suja ou
                  não)
                  os compõem
nos silêncios aparentes ou grossos
como colchas de flanela
ou água vertiginosamente imóvel
                                            como
na quinta dos Medeiros, no poço
da quinta
           coberto pela sombra quase pânica
                  das árvores
           de galhos que subiam mudos
                  como enigmas
                  tudo parado
feito uma noite verde ou vegetal
                  e de água



Fonte: "Coleção Melhores Poemas", Editora Leya, 2012.
Originalmente publicado em: "Poema Sujo", 1975.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.