*

Imagem de Manoel de Barros

Poema de Manoel de Barros



Este ermo não tem nem cachorro de noite.
É tudo repleto de nadeiras.
Só escuto a paisagem há mil anos.
Chegam aromas de amanhã em mim.
Só penso coisas com efeitos de antes.
Nas minhas memórias enterradas
Vão achar muitas conchas ressoando...
Seria o areal de um mar extinto
Este lugar onde se encostam cágados?
Deste lado de mim parou o limo
E de outro lado uma andorinha benta.
Eu sou beato nesse passarinho.



Fonte: "Livro das Ignorãças", Editora Record, 2000.
Originalmente publicado em: "Livro das Ignorãças", 1993.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.