Os mortos de sobrecasaca

Imagem de Carlos Drummond de Andrade

Poema de Carlos Drummond de Andrade



Havia a um canto da sala um álbum de fotografias intoleráveis,
alto de muitos metros e velho de infinitos minutos,
em que todos se debruçavam
na alegria de zombar dos mortos de sobrecasaca.

Um verme principiou a roer as sobrecasacas indiferentes
e roeu as páginas, as dedicatórias e mesmo a poeira dos retratos.
Só não roeu o imortal soluço de vida que rebentava
que rebentava daquelas páginas.



Fonte: "Antologia Poética", Editora Record, 2001.
Originalmente publicado em: "Sentimento do mundo", Editora Pongetti, 1940.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.