O enterrado vivo

Imagem de Carlos Drummond de Andrade

Poema de Carlos Drummond de Andrade



É sempre no passado aquele orgasmo,
é sempre no presente aquele duplo,
é sempre no futuro aquele pânico.

É sempre no meu peito aquela garra.
É sempre no meu tédio aquele aceno.
É sempre no meu sono aquela guerra.

É sempre no meu trato o amplo distrato.
Sempre na minha firma a antiga fúria.
Sempre no mesmo engano outro retrato.

É sempre nos meus pulos o limite.
É sempre nos meus lábios a estampilha.
É sempre no meu não aquele trauma.

Sempre no meu amor a noite rompe.
Sempre dentro de mim meu inimigo.
E sempre no meu sempre a mesma ausência.



Fonte: "Antologia Poética", Editora Record, 2001.
Originalmente publicado em: "Fazendeiro do ar & Poesia até agora", Editora José Olympio, 1954.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.