Nossa Senhora dos Prazeres

Imagem de Adélia Prado

Poema de Adélia Prado



No que se pode chamar de rua,
em cores vivas, casas geminadas,
um esgoto de cozinha a céu aberto,
a água de sabão meio azulada,
muitas galinhas
e um galo formoso arreliando.
Se soubesse pintar informaria
de um verde quebradiço, as hortaliças
e pequenas coisas douradas esvoaçantes,
luz entre ramagens.
A igreja está fechada.
Não tendo mais o que fazer
a não ser esperar
que uma certa galinha vire meu almoço,
minha reza é deitar na pedra quente,
satisfeita e feliz como lagartixa no sol.



Fonte: "Poesia Reunida", Editora Record, 2015.
Originalmente publicado em: "Miserere", Editora Record, 2013.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.