Equilibrista

Imagem de Cecília Meireles

Poema de Cecília Meireles



Alto, pálido, vidente,
caminhante do vazio,
cujo solo suficiente
é um frágil, aéreo fio.

Sem transigência nenhuma,
experimentas teu passo,
com levitações de pluma
e rigores de compasso.

No mundo, jogam à sorte,
detrás de formosos muros,
à espera de tua morte
e dos despojos futuros.

E tu, cintilante louco,
vais, entre a nuvem e o solo,
só com teu ritmo - tão pouco!
Estrela no alto do pólo.



Fonte: "Antologia Poética", Editora do Autor, terceira edição, 1966.
Originalmente publicado em: "Canções", 1956.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.