Fibrilações

Imagem de Adélia Prado

Poema de Adélia Prado



Tanto faz
funeral ou festim,
tudo é desejo
o que percute em mim.
Ó coração incansável à ressonância das coisas,
amo, te amo, te amo,
assim triste, ó mundo,
ó homem tão belo que me paralisa.
Te amo, te amo.
E uma língua só,
um só ouvido, não absoluto.
Te amo.
Certa erva do campo tem as folhas ásperas
recobertas de pelos,
te amo, digo desesperada
de que outra palavra venha em meu socorro.
A relva estremece,
o amor para ela é aragem.



Fonte: "Poesia Reunida", Editora Record, 2015.
Originalmente publicado em: "O pelicano", Editora Guanabara, 1987.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.