Experiência

Imagem Henriqueta Lisboa

Poema de Henriqueta Lisboa



A noite é escura, a noite é escura,
(a vida, a vida está presente).
A noite escura os olhos cega,
os pés resvalam - que miséria!

Não há mais alma, a noite é escura,
a carne é fraca, tomba o corpo.

No escuro, entanto, a mão tateia
procura a lâmpada, suspende-a,
e a luz se faz, alta e pura,
sobre o corpo que tomba.

Talvez, talvez amanhã,
algum peregrino acompanhe
os passos do que se perdeu.

E a luz acima do pântano
recordará o bom caminho
a esse extraviado futuro.



Fonte:  "Prisioneira da Noite", Editora Civilização Brasileira, 1941.
Originalmente publicado em: "Prisioneira da Noite", Editora Civilização Brasileira, 1941.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.