Canção do deserto

Imagem de Cecília Meireles

Poema de Cecília Meireles



Minha ternura nas pedras
vegeta.

Caravana de formigas
tomam sempre o mesmo caminho.
E a areia - cega.

Noite e dia, noite e dia
- como se estivesse à espera.

O sol consome as cigarras,
a lua pelas escadas
se quebra.

Minha ternura? - nas pedras.

Para o último céu perdido,
meu desejo sem auxílio
se eleva.

Mas os passos deste mundo
pisam tudo, tudo, tudo...
Morte certa.

Morte por todos os passos...
(Só com a sola dos sapatos
os homens tocam a terra!)

Minha ternura? - nas pedras.
Nas pedras.



Fonte: "Antologia Poética", Editora do Autor, terceira edição, 1966.
Originalmente publicado em: "Vaga Música", 1942.


Comentários