*

Imagem de Manoel de Barros

Poema de Manoel de Barros



Caminhoso em meu pântano,
dou num taquaral de pássaros.

Um homem que estudava formigas e tendia para
pedras me disse no ÚLTIMO DOMICÍLIO
CONHECIDO: Só me preocupo com as coisas inúteis

Sua boca era um depósito de sombras retorcidas,
com versos cobertos de eras e sarjetas que abriam
asas sobre nós

O homem estava parado mil anos nesse lugar sem
orelhas



Fonte: "Poesia Completa", Editora Leya, 2010.
Originalmente publicado em: "Arranjos para assobio", 1980.


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.